Alegres, modernas e joviais: arquiteta Marina Carvalho inspira e reúne dicas essenciais para apostar em projetos de cozinhas coloridas

A tradicional cozinha ‘branquinha’ ficou para trás abrindo frente para cores presentes por meio de diversos elementos utilizados na concepção do ambiente

Cozinhas coloridas - cozinha com azulejo subway tiles verde por toda parede, bancadas e armários brancos, piso de madeira, banquetas de madeira e luminárias pendentes brancas.
Nesse projeto assinado pela arquiteta Marina Carvalho, o revestimento verde foi o destaque em uma cozinha com elementos neutros | Foto: Evelyn Müller

Um dos ambientes mais deliciosos da casa, a cozinha passou por muitas transformações ao longo dos anos. Se, por muito tempo, ela foi marcada pela predominância dos tons neutros, atualmente as cozinhas coloridas ocuparam seu espaço nos projetos, combinando com os demais cômodos da casa.

“Por ser um local onde serão preparadas as refeições no dia a dia, ela deve refletir o estilo e a personalidade dos moradores, além de dialogar com a residência como um todo”, afirma a experiente arquiteta Marina Carvalho, à frente do escritório que leva o seu nome. Sendo assim, para apostar em uma decoração de cozinhas coloridas, harmonia é a palavra que rege. O primeiro passo é eleger a cor principal para, na sequência, pensar em outros tons e combinações. Nesses casos, o branco, o preto ou o cinza são boas sugestões para criar um fundo perfeito.

CONFIRA: 39 IDEIAS E SOLUÇÕES PARA COZINHAS PEQUENAS

O tom escolhido pode ser aplicado em diversos pontos: gavetas, armários, mesas, pia, cadeiras, azulejos, pastilhas e pendentes, entre outros componentes. Para os moradores mais discretos, dá até para brincar com matizes nos utensílios domésticos e objetos de decoração, que são fáceis de trocar. “Não existem regras para ousar na cozinha. O que precisa ser priorizado é o bom senso na execução”, aconselha a profissional.

Confira mais dicas de Marina Carvalho para não errar no projeto de cozinhas coloridas:

1) Cores na marcenaria: 

Cozinhas coloridas - cozinha com armário goiaba, mesa de madeira com cadeiras estofada rose, piso porcelanato branco e luminária pendente bronze.
Cozinhas coloridas - Cozinha com piso porcelanato branco, armários em tom goiaba e amadeirado, eletrodoméstico de inox bancada da pia branca e parede da pia revestida de tijolinhos
Nessa cozinha assinada pela arquiteta Marina Carvalho, o casal de moradores desejava um ambiente colorido. Assim, os armários em tom de goiaba propiciaram uma composição terrosa com o tijolinho presente nas paredes, incluindo o frontão da pia. Como não tinham medo de brincar com as cores, a arquiteta adicionou o verde, o rosa nas cadeiras e até um bronze metálico no lustre | Foto: Evelyn Müller

Ao estabelecer uma base neutra nas paredes e no piso, é possível ousar nos demais elementos. Dessa forma, a marcenaria poderá receber as cores, sejam elas discretas ou vibrantes, sempre respeitando o estilo de decoração do projeto e reforçando o equilíbrio para evitar o exagero de informação no mesmo ambiente.

“Em decorações mais clássicas, por exemplo, recomendo escolher um volume e pintá-lo com uma cor mais sóbria. Verde ou azul escuro são boas alternativas nesse caso”, conta Marina Carvalho. Investir em uma paleta mais clara também funciona em locais com uma proposta delicada.

CONFIRA: 19 ERROS QUE VOCÊ NÃO PODE COMETER NO PLANEJAMENTO DA COZINHA

Cozinhas coloridas - Cozinha com armários verdade claro e branco, piso de madeira, bancos de madeira e acessórios verdes.
Cozinha com armários verde claro e branco, piso de madeira, cadeiras de madeira, acessórios verde claro e revestimento branco hexagonal em formato pequeno nas paredes.
Em um projeto muito sutil, Marina Carvalho optou por uma combinação de verde claro na marcenaria, madeira no piso e branco nas paredes. O revestimento com textura hexagonal ajudou a dar mais movimento | Foto: Evelyn Müller

2) Combinação de mais tons na marcenaria: 

Entretanto, e se o morador quiser colocar mais de uma cor na marcenaria, quais seriam os cuidados? Nesse caso, o melhor é ter atenção para que, ao eleger um tom específico como base, o restante não fuja dessa paleta. Para evitar erros, a sugestão é sempre testar as combinações antes de aplicá-las. “No mais, a melhor orientação é contratar um bom profissional e que, de preferência, tenha experiência em trabalhar com projetos coloridos”, recomenda a arquiteta.

cozinha com armários azul e branco, paredes brancas, bancos amarelos e utensílios vermelho e laranja.
cozinha com três tons de laminados azuis na marcenaria. Os itens decorativos em amarelo e vermelho, piso e parede em tons neutros.
Como a moradora tinha uma personalidade extrovertida, a cozinha ganhou três tons de laminados azuis na marcenaria. Os itens decorativos em amarelo e vermelho podem ser modificados, caso ela deseje no futuro | Projeto: Marina Carvalho | Foto: Marcelo Cotrim
cozinha com armário amadeirado com bancada amarela e nicho azul, piso neutro e parede branca.
Cozinha com armário amadeirado com portas amarelas, piso de madeira e parede do armário azul.
Ao perceber o estilo despojado e alegre dos clientes, a arquiteta resolveu ousar nas cores do projeto. Amarelo e azul marcam presença ao lado da madeira. O piso, por sua vez, é neutro para não haver excesso

3) Cores nas paredes: 

Se a decisão for por empregar cores nas paredes, por meio de tintas, azulejos e pastilhas, o segredo é o mesmo da marcenaria: um tom neutro como base oferece um passe livre para ousar nos demais elementos. “É essencial reforçar que, se a cozinha for muito pequena, será preciso uma atenção redobrada para evitar exageros. Afinal, menos é mais”, afirma a profissional.

cozinha com paredes revestidas com azulejo subway tiles verde claro muito sutil, armários branco clássico com moldura  e piso liso branco.
Nesse projeto, as paredes foram revestidas com uma cerâmica verde clara muito sutil. Além disso, a marcenaria clássica com moldura também chama atenção. Por isso, a arquiteta preferiu instalar um piso totalmente liso e branco | Foto: Marcelo Cotrim
Cozinha com pastilhas em azul mais escuro, suavizadas pelo branco da marcenaria e do piso .
Aqui, as paredes receberam pastilhas em azul mais escuro, suavizadas pelo branco da marcenaria e do piso | Projeto: Marina Carvalho | Foto: Marcelo Cotrim

4) Cores nos utensílios e objetos: 

Para quem pretende investir em cozinhas coloridas, mas ainda está inseguro, os utensílios e objetos são ótimas soluções. Assim, será mais simples trocá-los no futuro, caso o morador canse ou altere a paleta do ambiente. “O primordial é seguir seus gostos, não deixando de lado a composição com os outros ambientes”, finaliza.

Cozinha com azulejo em tons de cinza, armário amadeirado, bancada cinza e eletrodomésticos vermelhos
Utensílios vermelhos, incluindo os eletrodomésticos, fizeram uma bonita composição com as paredes em preto, cinza e branco |Projeto: Marina Carvalho | Foto: Evelyn Müller

Sobre a arquiteta Marina Carvalho

Graduada pela faculdade de Arquitetura e Urbanismo, com MBA em Gestão Estratégica e Econômica de Projetos na Fundação Getúlio Vargas, no início de sua carreira, Marina de trabalhou no Estúdio Penha, e, posteriormente, com Arthur Casas, onde ocupou por muitos anos um cargo de coordenadora em uma das maiores incorporadoras da América Latina.  Esta etapa foi importante em sua carreira pois lhe deu a percepção de que sua verdadeira realização só viria quando pudesse levar às pessoas tudo em que eu acreditava.

A decisão de montar seu próprio escritório aconteceu após passar uma temporada morando em Londres, o que aumentou sua inquietude. Marina, que cumula cursos em seu currículo, entre eles, o técnico de Design de Interiores do Senac, entre outros (iluminação, fotografia, paisagismo, cenografia), optou pela liberdade de fazer aquilo em que acreditava por meio de um projeto autoral. 

Atualmente a arquiteta trabalha no escritório que leva o seu nome, Marina Carvalho Arquitetura. Para ela, perceber nos olhos do cliente o sentimento de alegria e satisfação no dia da entrega é o que a faz acordar feliz todos os dias. 

Newsletter

Lilian Santos

Lilian Santos é formada em Design de Interiores e Marketing, trabalhou durante 07 anos em lojas especializadas em revestimentos, fez diversos cursos e treinamentos do segmento e resolveu pegar todo o seu conhecimento e criar o Revestindo a Casa para compartilhar dicas técnicas, que hoje ajuda milhares de pessoas. Ela desenvolve conteúdos para o digital, treinamentos para empresas do segmento, palestras e consultorias. Ah ela adora dar boas risadas, sempre tenta ver o lado bom das coisas e ama viajar.

Leave a Comment